16 de abr de 2016

ARTIGO: 2015, o ano para o gir leiteiro esquecer

Por Rosimar Silva



O ano de 2015 apenas confirmou a tendência de queda do gir leiteiro iniciado em 2013. Foram poucos leilões, exposições esvaziadas, crises nas entidades e a morte de sua principal personalidade.



A pecuária seletiva confirma sua característica cíclica e o gir leiteiro, em 2015, confirmou que seu momento de esplendor já passou e agora a luta é pela sobrevivência de alguns criadores e selecionadores.
Aquele glamour de 2010 acabou. O momento é de baixa. O mercado retraiu e as médias dos leilões despencaram. Mesmo assim ainda é cedo para dizer se o crescimento do gir leiteiro foi realmente uma bolha (como muitos afirmaram) e que estourou, ou está em vias de estourar. Provavelmente o avanço do gir leiteiro em sua seleção não permitirá que seu crescimento econômico tenha sido uma bolha, mas um balão que agora está diminuindo de tamanho sem, conduto, explodir. Espera-se.
A retração de crescimento da raça coincidiu com a crise econômica do país e o aumento dos custos afastou o criador das exposições. Para se ter uma ideia, a maior exposição da raça não foi, por exemplo, nem na Expozebu (a Meca do zebu mundial), nem na tradicional exposição nacional do gir leiteiro, também em Uberaba, mas em uma pequena cidade do interior de Minas, Pompéu. Em várias outras cidades, também tradicionais, o número de animais em exposição e, consequentemente, na pista de julgamento, despencou e em grande parte delas o número de animais foi o suficiente apenas para garantir o ranqueamento.
As entidades da raça também perderam força e ainda por cima a Abcgil, a entidade mãe da raça, com sede em Uberaba, foi obrigada a administrar uma crise financeira provocada por um rombo em suas contas causada por desvios praticados por funcionários. Para completar o desastre institucional da entidade, o seu presidente foi condenado pela justiça federal a 5 anos e 8 meses de prisão por irregularidades no período em que foi presidente do Banco do Estado de Minas Gerais. Se não bastasse, Bicalho ainda é réu no Mensalão Mineiro, acusado de corrupção pelo Ministério Público, cuja sentença ainda não saiu, mas pode ser outra surpresa na vida do presidente.
Por fim, um acidente trágico tira a vida de Luiz Ronaldo de Paula, a maior voz do Gir leiteiro do Brasil e da América Latina. A morte de Luiz Ronaldo foi um duro golpe no Gir Leiteiro, pois ele era a maior personalidade da raça, reconhecido como o maior e melhor assessor de leilões do gir leiteiro, com prestígio e credibilidade. A sua morte tornou os leilões enfadonhos e sem graça. Luiz Ronaldo levou o gir leiteiro para a televisão e com ele viveu sua glamourização; deu personalidade e status para o gir leiteiro e fez a elite da pecuária nacional entrar na raça. Agora com sua morte e sem sucessor, está decretado o fim do ciclo de ouro do Gir Leiteiro.
Conduto, mesmo com um cenário negativo, ainda existe luz no fim do túnel. Ao mesmo tempo em que ouve o crescimento econômico da raça, houve também melhoramento genético e isso é o grande capital do gir leiteiro. Esse avanço é, sem sombra de dúvidas, a carta da manga dos criadores e selecionadores comprometidos com a raça. A crise passará. A raça é forte e está preparada para esses percalços. Os verdadeiros criadores e selecionadores vão continuar seguindo a saga do gir no Brasil, com, ou sem, a ajuda das suas entidades e lideranças. Se tiver melhor, mas a vida segue nos inúmeros currais desse imenso Brasil.
Isso tudo fará, não tenho dúvidas, com que haja mudanças de rumos, de estratégias e de metas. A busca agora é para a sustentabilidade da raça como fornecedora de genética de ponta para a produção de vacas leiteiras, economicamente viáveis, tanto como raça pura, como para o cruzamento (a grande missão do gir no Brasil). Com isso, mudam-se os paradigmas. Sai a superlactação e os recordes mundiais e entram as provas de leite a pasto, visando persistência de lactação e viabilidade econômica. O caminho já foi sinalizado. Agora é ajustar as velas e dar novo rumo à raça para que em um breve espaço de tempo o gir leiteiro volte a ser a grande revelação da pecuária leiteira nacional.



Nenhum comentário: